Empresário empilhando blocos de madeira com ícones que representam o ESG

Você sabe o que significa ESG? O mundo está se transformando rapidamente e, pensando no desenvolvimento sustentável, é necessário que as organizações participem ativamente na construção de boas soluções.

O ESG, um padrão de boas práticas corporativas, vem transformando as relações comerciais ao buscar atender interesses da sociedade.

A sustentabilidade para empresas já não é apenas uma questão de ideologia. Na prática, além dos benefícios socioambientais, os negócios estão melhorando sua performance econômica com medidas mais sustentáveis..

ESG, sigla para Environment, Social and Governance – em português, Meio Ambiente, Responsabilidade Social e Governança – é uma forma de se posicionar nesse novo cenário, aliando a preocupação sócio-ambiental com as necessidades econômicas das empresas.

Nesse texto vamos explicar melhor o que significa ESG, mostrar quais são seus principais pilares e entender como as empresas podem se tornar agentes transformadores neste cenário.

Começando com o essencial:

O que significa ESG?

Empresários ao redor de uma mesa onde encontra diversos papéis representando recursos naturais.

A consolidação do ESG vem do entendimento de que o mundo corporativo deve participar ativamente da construção de soluções para uma sociedade mais sustentável. Afinal, as empresas são feitas de pessoas, e quaisquer externalidades negativas causadas pelas empresas serão absorvidas por essas pessoas, que são parte também da sociedade.

O conceito de ESG é uma evolução do conceito de sustentabilidade, ou de desenvolvimento sustentável:

“suprir as necessidades da geração presente sem afetar a possibilidade das gerações futuras de suprir as suas”

definição da Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento em 1972, criada pelas Nações Unidas.

Sob a ótica atual, impulsionada principalmente pelas crises climática, de recursos naturais e de refugiados, dá-se um enfoque importante à Governança Corporativa, responsável pelo direcionamento estratégico das empresas e pela transparência das informações.

O ESG é composto de uma série de recomendações e medidas pautadas nos seus três principais pilares:

  • Meio Ambiente;
  • Responsabilidade Social;
  • Governança Corporativa.

Mas quais são estas recomendações e medidas ideais? Quem são os responsáveis por essa definição?

Existem diversas metodologias ESG em vigor no mundo, todas pautadas em um conceito chamado de Materialidade.

A Materialidade representa o escopo de atuação de cada setor e quais os aspectos relevantes a serem considerados em uma análise de impactos para uma gestão consciente dos recursos. Algumas das mais reconhecidas são:

  • os ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) da Onu;
  • o GRI (Global Reporting Initiative);
  • o SASB (Sustainability Accounting Standards Board);
  • o CDP (Carbon Disclosure Project).
  • e o GHG Protocol (Greenhouse Gases Protocol).

Todas estas metodologias, entre outras, auxiliam as empresas a relatar sobre sua performance corporativa, considerando a materialidade e os pilares ESG.

A Agenda ESG ajuda as organizações a obterem performance financeira sem comprometer os interesses da sociedade.

Quais são os pilares do ESG?

Foto Usina CGH Cachoeirinha - Hy Brazil
Fonte Usina CGH Cachoeirinha – Hy Brazil

Já conversamos sobre os três pilares fundamentais do ESG – Meio Ambiente, Responsabilidade Social e Governança, certo?

Mas o que exatamente esses pilares representam? Como as empresas estão trabalhando cada um hoje?

Para responder essas perguntas precisamos nos aprofundar um pouco mais no que cada um deles traz como medidas, estratégias e propostas.

Saiba mais:

Pilar 1 do ESG: Meio Ambiente

O pilar do meio ambiente no ESG determina ações práticas e concretas para evitar, diminuir ou compensar os impactos da empresa no meio ambiente.

E vai até um pouco além: as empresas maiores são incentivadas pelo ESG não apenas a neutralizar seu impacto ambiental, mas levar a balança para o lado positivo.

🔌 Leia também: 5 Dicas para economizar energia

Os pontos de atuação desse pilar podem ser vários, e dependem da empresa analisada. Mas para ilustrar, veja alguns exemplos:

  • Manejo e descarte correto dos resíduos sólidos;
  • Utilização de energia renovável;
  • Reflorestamento;
  • Inventário de Gases de Efeito Estufa e redução das emissões;
  • Desenvolvimento e utilização de tecnologias mais limpas;
  • Gestão consciente dos recursos naturais
  • Apoio de ONGs que trabalham o meio ambiente;

Pilar 2 do ESG: Responsabilidade Social

As empresas são, por si só, o maior meio de mobilidade social do mundo. Elas geram o ingrediente fundamental: o emprego.

O que o ESG determina, porém, é a necessidade de implementar medidas de Responsabilidade Social que impactem positivamente os trabalhadores da empresa e a comunidade em que ela está inserida.

Um dos principais norteadores da gestão social corporativa são os Objetivos Sustentáveis da ONU.

Quadro mostrando os Objetivos Sustentáveis 2030 da ONU

Veja alguns pontos do ESG relacionados à Responsabilidade Social no dia a dia da empresa:

  • Quantidade de trabalhadores PCD;
  • Abertura de oportunidades para trabalhadores seniores;
  • Gestão transparente e participativa;
  • Redução da taxa de turnover;
  • Benefícios;
  • Evolução salarial;
  • Plano de carreira;

Pilar 3 do ESG – Governança Corporativa

A Governança de uma empresa está relacionada às suas práticas como corporação – ou seja, como ela é administrada.

Mas qual é a relevância disso quando comparamos com impactos ambientais e sociais, por exemplo?

Simples: a honestidade e transparência dos negócios da empresa é uma forma de Responsabilidade Social voltada para o mercado.

Práticas administrativas desleais ou criminosas têm impactos negativos no mercado inteiro, e consequentemente na sociedade.

Como exemplo, podemos pensar nesses pontos para ilustrar uma boa gestão da Governança Corporativa no ESG:

  • Sistemas e políticas anticorrupção implementados;
  • Relatórios financeiros e de sustentabilidade constantes e acessíveis;
  • Busca constante pela transparência na remuneração dos acionistas;
  • Sistemas e políticas para recebimento e investigação de denúncias;
  • Existência de Comitês e Conselhos ESG;
  • Medidas contra a concorrência desleal;
  • Sistema que combata o insider trading;

Como uma empresa pode implementar o ESG?

O primeiro passo para a adoção de uma agenda ESG é analisar o escopo de atuação e modelo de negócio da empresa para a criação da Matriz de Materialidade, um estudo que responderá sobre os impactos mais relevantes decorrentes das suas atividades.

A partir da matriz de materialidade, a organização poderá desenvolver estratégias com base nesses aspectos mais representativos, e trabalhar a transparência no sentido de reportar sua performance e suas falhas para todas as partes interessadas.

Uma das maneiras mais práticas de começar a trilhar este caminho é seguir as recomendações da ONU. Veja o infográfico abaixo com algumas das medidas adotadas:

Infográfico da ONU mostrando algumas das metas de empresas ESG.

Um ótimo recurso, da própria ONU, é o roadmap sustentável que mostra as principais metas e como implementar cada uma delas.

Empresas avançadas na gestão ESG têm uma vantagem enorme no marketing, o que amplia as vendas por serem líderes em uma tendência global.

As empresas mais ativas na implementação do ESG hoje, no Brasil, são a Natura, Itaú e Telefónica.

A Hy Brazil, empresa na qual fazemos parte, também possui avançadas diretrizes de ESG, com fundamentação de políticas, comitê e projetos voltados para os princípios de transparência corporativa, responsabilidade social e zelo ambiental.

🌎 Veja mais detalhes das diretrizes ESG no site da Hy Brazil.

Pequenos negócios, porém, já devem levar em conta os principais pontos da ESG, se preparando para um futuro onde os consumidores vão estar cada vez mais exigentes.

Uma dessas maneiras é investindo em energia solar e sustentável, com o método da Geração Distribuída. A FIT Energia está do seu lado nesse compromisso. Acesse o site e veja como podemos te ajudar.

Obrigado pela leitura e nos vemos no próximo texto.

Share.

Deixe um comentário