Usina de energia renovável

Você sabe a importância das usinas hidrelétricas para o nosso país e para o mundo, no geral?

Só pra você ter uma ideia, dados de 2021 apontam que cerca 67% de toda eletricidade brasileira advém de fontes hidrelétricas, e que a soberania dessas fontes em detrimento das demais fontes de energia do país, se estenderá até meados de 2030, isso segundo o MME Ministério de Minas e Energia.

Em 2022, o Brasil atingiu um marco impressionante, com 92% da energia elétrica produzida no país proveniente de fontes renováveis. E claro que, dentre outros fatores, isso não seria possível sem a energia hidrelétrica que corresponde a cerca de 73,6% desse número.

Sem contar que o Brasil possui o terceiro maior potencial hidráulico do mundo todo.

Ou seja, com todos esses dados, a gente já tem uma noção maior da importância desse recurso. Mas daí surge outra questão: “As usinas hidrelétricas são todas padronizadas iguais umas às outras”? E a resposta é não!

Existem vários tipos de usinas e hoje nós vamos apresentar suas diferenças, características e benefícios de cada uma delas. Vamos lá?

Como é gerada a energia hidrelétrica?

Para entender melhor os diferentes tipos de geração de energia hidrelétrica, é importante que esteja totalmente esclarecido a forma como a energia é gerada com essa fonte renovável.

Antes de construir uma hidrelétrica, é realizado um estudo abrangente da região onde ela será instalada. Com isso, tem-se os dados sobre a Energia Natural Afluente (ENA) do local. A ENA refere-se à quantidade de água que uma usina hidrelétrica recebe e pode converter em energia.

Quanto maior a ENA, maior a quantidade de energia produzida.

Além disso, a construção de uma usina hidrelétrica envolve considerações importantes relacionadas às questões ambientais, sociais e de governança (ESG).

Para o desenvolvimento sustentável, esses aspectos são fundamentais e garantem que a implantação e operação da usina ocorram de maneira responsável e minimizem os impactos negativos no meio ambiente e nas comunidades locais.

A construção de uma usina hidrelétrica está sujeita a uma série de regulamentações e licenciamentos ambientais. Estes podem incluir estudos de impacto ambiental, consultas públicas, planos de mitigação de impactos ambientais com reflorestamento de área, e outros requisitos.

Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs)

PCH refere-se a Pequenas Centrais Hidrelétricas. Para a construção de PCHs, a ENA do local é reduzida e o modelo de construção é o mesmo das usinas hidrelétricas.

Uma barragem é erguida no rio para represar a água, formando um reservatório semelhante a um lago atrás dela. A água é conduzida por tubulações até as turbinas, que são impulsionadas pela força e velocidade da água. As turbinas estão ligadas a geradores, que transformam o movimento das pás em energia.

 Imagem da PCH Manoel Alves, uma das usinas da Hy Brazil.

Embora o processo seja semelhante ao das UHEs (Usinas Hidrelétricas), as PCHs têm menor impacto ambiental, construção mais rápida e custos reduzidos.

As Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) são normalmente instaladas em áreas próximas a centros urbanos, o que reduz as perdas na transmissão de energia. Porque a energia gerada é injetada próxima aos locais de maior consumo.

Isso minimiza a necessidade de longas linhas de transmissão. E por não demandarem uma alta ENA, podem ser construídas em rios de menor vazão.

Mas existem algumas características que elas devem apresentar para serem configuradas como PCHs, como:

  • É obrigatório que elas tenham entre 5 e 30 megawatts (MW) de potência;
  • Ter menos de 13 km² de área de reservatório.

Esses dois pontos conforme determina a ANEEL.

Benefícios das PCHs

As Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) causam baixo impacto ambiental. Desempenham um papel importante na proteção das margens dos rios contra a erosão, e possibilitam o uso múltiplo das águas para atividades como irrigação, piscicultura, lazer e abastecimento do município.

Além disso, as PCHs contribuem para a limpeza dos rios, capturando e retirando toneladas de lixo flutuante anualmente. Contrariando a crença popular, as PCHs não consomem a água dos rios, atuando como filtros que devolvem a água mais limpa e regular ao meio ambiente.

Essas usinas também impulsionam o desenvolvimento regional, gerando empregos durante sua construção.

E você achando que todas as geradoras hidrelétricas eram iguais. Muitos benefícios e objetivos diferentes, né? Mas as diferenças não param por aí, no próximo tópico vamos falar sobre as CGHs. Confira!

Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGHs)

As Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGHs) são usinas de tamanho e potência menores que as PCHs. Para serem classificadas assim, elas devem gerar até 5 MW de energia.

Elas operam de forma similar às usinas hidrelétricas convencionais, porém, adaptando-se às proporções de seu tamanho e quanto à estrutura, elas podem dispensar a implantação de uma barragem.

As Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGHs) são projetadas para aproveitar o potencial hidrelétrico de rios menores, utilizando barragens de menor porte. Essa abordagem torna possível a geração de energia de forma mais adequada ao tamanho e fluxo dos rios, permitindo um aproveitamento mais eficiente dos recursos.

Uma característica notável das CGHs é sua aplicação em áreas rurais ou remotas, onde a infraestrutura das grandes usinas hidrelétricas seria inviável. Essas pequenas centrais são capazes de fornecer energia a comunidades isoladas, que, de outra forma, teriam dificuldades em acessar o fornecimento de energia devido à distância e à falta de recursos de transmissão.

Benefícios CGHs

As Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGHs) são uma opção vantajosa de investimento devido ao processo de criação simplificado, permitindo sua implantação em até dois anos, enquanto a criação de Pequenas Centrais Hidráulicas (PCHs) pode levar até cinco anos.

Isso se deve também ao fato de as construções de CGHs serem menos burocráticas, dispensando concessões da ANEEL. As Licenças Ambientais são mais fáceis de se obter, devido ao menor impacto ambiental.

Além disso, o investimento em CGHs apresenta custos mais baixos devido à sua estrutura reduzida.

Mas, é um fato que, tanto as PCHs quanto as CGHs oferecem uma excelente oportunidade para complementar a nossa matriz energética.

Agora, vamos à mais conhecida das hidrelétricas: a UHE (Usinas Hidrelétricas).

Usinas Hidrelétricas (UHEs)

São classificadas como Usinas Hidrelétricas pela ANEEL, estruturas que possuem aproveitamento de potencial hidráulico acima de 30.000 kW, sem características de PCH, sujeitos à outorga de autorização, conforme está na página da ANEEL.

O processo de geração de energia é o mesmo descrito no tópico sobre as PCHs, mas em escala muito maior. E ao contrário das CGHs, para as UHEs é indispensável a presença de barragens e reservatórios. Quer saber por que?

Barragens e reservatórios

A Agência Nacional das Águas (ANA) e Saneamento Básico define barragens e reservatórios onde, as barragens represam o curso da água e o reservatório refere-se ao local em que as águas se acumulam.

As barragens hidrelétricas têm duas funções principais: represar e armazenar água para a produção de energia, além de fornecer o desnível necessário para acionar as turbinas das unidades geradoras.

E os reservatórios armazenam água durante as chuvas para produzir energia nos períodos secos. A água é liberada das comportas em direção à casa de força, onde as turbinas são movimentadas para gerar eletricidade.

Usina de Itaipu

A Usina de Itaipu exemplifica bem a magnitude das UHEs. Ela é a segunda maior geradora de energia do mundo e fica na fronteira entre Brasil e Paraguai.

Ela possui 20 unidades geradoras e 14 gigawatts (GW) de potência instalada, e fornece cerca de 8,6% da energia consumida no Brasil e 86,3% do consumo paraguaio.

Em 2023, a usina de Itaipu produziu 83,8 milhões de MWh.

Imagem de usina hidrelétrica.

A FIT e Hy Brazil possuem mais de 30 PCHs e CGHs

A FIT Energia e HY Brazil possuem um compromisso com a transição energética no Brasil e seu trabalho vem mudando o cenário energético no país com a expertise no desenvolvimento, construção e operação de Usinas e hidrelétricas (PCHs e CGHs), que hoje já ultrapassam mais de 30 PCHs e CGHs.

Conheça a FIT Energia, empresa do grupo Hy Brazil e participe ativamente dessa mudança com a assinatura de energia renovável.


Um grande abraço e até a próxima!

Share.

Deixe um comentário